segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Irritações

Já aqui expressei a minha repulsa por faltas de respeito e de civismo.
Para mim há coisas que são puro senso comum e não aceito desculpas - principalmente esfarrapadas!

Todos os dias vemos situações, nos mais variados contextos, em que está presente a falta de civismo do ser humano . Não sou uma pessoa viajada (infelizmente) para poder comparar com outros países mas a verdade é que o povinho português tem um verdadeiro dom: a falta de civismo e de respeito pelo próximo! Podíamos estar um dia inteiro a enumerar outros dons semelhantes do Zé Povinho, mas este irrita-me profundamente. Quem trabalha no atendimento ao público pode presenciar um sem número de situações completamente inacreditáveis que espelham bem a falta de civismo do nosso povo. E como é óbvio, há exceções  (e estou grata por isso)! 

Os transportes públicos são outro grande exemplo de  onde encontrar exemplos desta característica cada vez mais comum no ser humano em geral. Uma característica que não escolhe idade, sexo, classe, nacionalidade ou cor de pele. 

Hoje, ao sair do trabalho, entro num autocarro que já vem cheio até à porta da frente. Fui a última a entrar e fiquei em pé, mesmo ao lado do motorista. Até aqui tudo bem. Ao fim do dia já sabemos com o que podemos contar. E o percurso é curto, não me faz diferença.





Na paragem a seguir entra uma senhora com duas crianças com cerca de três anos cada uma (deviam ser gémeos). Encostei-me para os deixar passar e, depois de o motorista arrancar, olho para trás e ouço uma senhora dizer para os meninos: "segurem-se bem!"
Não quis acreditar e aproveitei o silêncio que se fazia ouvir para lançar a minha indignação:
"Ninguém se vai levantar para as crianças se sentarem?!! Por amor de Deus!"

As três senhoras que ocupavam os primeiros lugares do autocarro ficaram impávidas e serenas - ignoraram completamente a situação. Mas lá houve alguém nos lugares a seguir (prioritários, por sinal) que ganhou vergonha na cara e levantou-se. 

Não foi a primeira, nem será a última vez que situações destas acontecem nos transportes públicos, o que acho absolutamente deplorável. Sendo um lugar prioritário ou não, na minha humilde opinião, acho que basta ter um pouco de bom senso e civismo (lá está) para perceber que uma criança tão pequena deveria ir sentada num autocarro. É uma questão de segurança. Nós adultos podemos simplesmente agarrarmo-nos aos postes ou aos assentos que, em caso de travagem brusca, safamo-nos bem.
Quem diz uma criança, diz um idoso, pessoas com mobilidade reduzida ou uma grávida que corre o risco de bater com a barriga em ferros, etc.





Eu própria tive a experiência: durante a minha primeira gravidez ia de transportes para o trabalho e posso dizer que não havia um único dia em que não ficasse decepcionada com o ser humano. Grávida de 7 meses a entrar num autocarro e as pessoas simplesmente viravam a cara para fingir que não me viam. Até as mulheres, por incrível que pareça!!
E a passividade dos próprios motoristas deixa-me incrédula - quem melhor do que eles para saber os perigos de viajar em pé num autocarro e alertar os passageiros para este tipo de situações? Em vez disso mantém-se totalmente alienados dos acontecimentos atrás de si. 

Também acredito que, como eu, existam mais pessoas que se sintam indignadas ao presenciar este tipo de situação mas simplesmente não estão para se chatear. Não se manifestam, não se querem "meter".
Comodismo? Medo? Indiferença?

É triste pensar que "somos" assim: primeiro eu, depois eu, a seguir eu e sempre eu!

11 comentários:

  1. Noto uma grande diferença entre Portugal e a Suiça nesse aspecto. Quando estava grávida havia sempre alguém que se levantava para me ceder o lugar!Quando vou a Portugal fico sempre indignada com certas coisas!

    www.anafernandes.ch

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Daí eu dizer que somos um povo muito mal formado. Infelizmente muita gente que tem a experiência do estrangeiro diz o mesmo. Não se compreende porquê!

      Eliminar
    2. Talvez seja da maneira como são habituados aqui, da educação que têm. Mas que noto uma grande diferença isso devo admitir que noto!

      Eliminar
  2. Assim que comecei a ler lembrei-me imediatamente dos transportes públicos, nos quais também já presenciei muitas situações dessas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente é o "prato do dia" por todo o lado.

      Eliminar
  3. Percebo perfeitamente a tua indignação! Acredito que haja esse tipo de situações um pouco por todo o mundo, embora aqui na Bélgica nunca assisti a um episódio desses. Mas com certeza que também acontece, infelizmente!
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelo feedback que tenho de amigos e familiares que vivem noutros países não é tão flagrante como cá. Ou pelo menos não deve ser tão frequente.

      Eliminar
  4. É impressionante, compreendo perfeitamente a tua indignação. Eu que utilizo transportes públicos, sou confrontada recorrentemente com essa situação...
    Beijinhos,
    http://chicana.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cada vez tenho menos tolerância para este tipo de situações!

      Eliminar
  5. Infelizmente tenho de concordar contigo.
    Já vi episódios vários...

    ResponderEliminar

Diz-nos o que achaste. O teu comentário é sempre bem-vindo.
Obrigada pela visita!