terça-feira, 25 de junho de 2019

Parabéns Maria Inês!

A Maria Inês completa hoje 3 anos de vida!
Não foi um bebé fácil de trazer ao mundo, já que o parto teve que ser provocado às 41 semanas e, mesmo assim, a miúda ainda deu luta. 

Deixou a mãe completamente KO mas nasceu bem e saudável. Uma miúda grandota com 51 cm que está agora a deixar a mamoca. [Yey..  há uns dois meses que durmo noites inteiras!!]

A Maria tem sido uma criança desafiante em vários sentidos. É inteligente, absorve tudo à sua volta, aprende super rápido e é uma traquina de primeira. 
É uma tagarela - começa assim que acorda e só se cala quando finalmente fecha a pestana. 
Adora desenhos animados e até já representa o que vê na televisão. 
Tem sempre uma resposta na ponta da língua, goza (literalmente) com a nossa cara quando estamos a ralhar e até já faz piadas.

Vai, com toda a certeza, dar-nos algumas dores de cabeça.


Parabéns Maria Inês!







P.S. - Não gosta que digam que já é uma senhora - por isso cuidado com os comentários se, eventualmente, se cruzarem com ela.
Normalmente a resposta dela é (com ar de muito zangada): "Não xou uma xinhôia. Xou um bebé... xou um bebé-cão!"

Anda uma pessoa a criar uma filha para isto!!

terça-feira, 16 de abril de 2019

10 Anos de maternidade

Foi numa sexta feira 13 que ele chegou - quando toda a gente apostava no 12 e no 14. 
Foi parto normal com um ou outro contratempo, já que a criança estava a ficar sem oxigénio, mas nasceu bem e com saúde! Grande e cinzento!!
Foi um momento que dificilmente poderei esquecer: o primeiro filho, um ser dentro de mim gestado e por mim parido. Fica aquele sentimento de maravilha por sabermos que trouxemos ao mundo aquele ser único, nosso.
E então começa uma nova jornada...

A primeira viagem pela maternidade é toda ela uma experiência única, maravilhosa... hajam noites bem dormidas ou não, sustos ou dias cansativos. Sejam bebés fáceis ou difíceis, são nossos e vão deixar-nos marcas e memórias para o resto da vida.

Educar uma criança não é tarefa fácil, mesmo que estejamos certos dos valores e princípios que queremos passar. Mesmo que tenhamos lido livros de especialistas conceituados sobre o tema. Até mesmo que tenhamos o conhecimento certo sobre o que fazer em determinada situação.  Ainda assim, não é fácil. Nunca nada é como pensamos, como achamos que deve ser, como planeamos.

Ah, e tal... Se o meu filho fizer uma birra daquelas (que acabamos de presenciar algures no meio da rua), eu faço assim, assado e cozido porque é assim que deve ser.
E no dia que o nosso filho nos presenteia com uma birra descomunal no meio da rua, fazemos tudo menos o que sabíamos que devíamos fazer, ou fazemos e não resulta, ou entramos em pânico e não sabemos como reagir... enfim, um sem número de hipóteses do que pode acontecer numa situação inesperada com o comportamento de uma criança .
Não é fácil.  E muitas vezes, em certas fases, desejamos que eles cresçam. Mas desengane-se quem acha que se torna mais fácil!! 

O Bernardo completou 10 anos dia 13 de Fevereiro (sim, muito atrasado este post). Está praticamente do meu tamanho e prestes a ingressar o 2° ciclo. É sem dúvida uma fase de transição em todos os aspectos e um desafio constante. 
Apesar do tamanho continua a ser uma criança. É um menino doce e com bom coração, inocente, tímido e amigo do próximo. Mas como uma criança de 10 anos que é, tem energia demais e já tem a mania que sabe. Não é amigo do estudo e diz que quer ser Youtuber - ai ai... estas novas tecnologias!! Adora correr e brincar, seja com a irmã (quando tem paciência), com meninos que encontra no parque ou com os primos. Adora ter a família toda junta - e acreditem que em dia de festa perdemos a conta ao número de membros da família (mais chegada) que se junta. Mostra que quer ser independente em diversas situações mas é super dependente da mamã e do papá! Já não quer andar de mão dada na rua e evita o beijinho à porta da escola.

É o nosso menino. Aquele que nos tira do sério diariamente mas está a custar imenso ver crescer.
Às vezes sinto que não lhe dou tudo de mim e chego a dar por mim, no trabalho, a pensar que não lhe disse palavras doces ou não lhe dei mimos suficientes porque estava ocupada a tratar da roupa ou da cozinha... e  isso corrói-me por dentro.

Na verdade o tempo passa e nós não o valorizamos como deveríamos. 
O meu filho já tem 10 anos e a sensação é de que nasceu "ontem".






quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Onde levar os miúdos ao fim de semana

Nas duas últimas semanas o frio tem sido motivo para querer ficar por casa. A mim pelo menos, é o que me apetece, com as temperaturas tão baixas: pijama, sofá, lareira e televisão. 
[Pronto, vá... A parte da televisão é praticamente uma utopia já que os seres mais pequenos monopolizam esse belo aparelho. Mas que se lixe - em vez de ver o Walking Dead, vejo o Panda. Qual é o problema?]

Enfim, mas como não somos todos iguais há quem goste de passear mesmo com o termómetro a negativo. E como recebi umas novidades bem giras via e-mail achei que era interessante partilhar por aqui - já que somos um blogue de família.

Para quem gosta de levar os "piquenos" ao cinema, 2019 vai ser um ano em grande com sessões para os miúdos. E o melhor de tudo é que me refiro a cinema gratuito!!

Já no próximo Domingo dia 3 de Fevereiro, pelas 16h00, podem ir até ao Museu do Dinheiro (Lisboa) e deixar a criançada assistir a diversas curtas metragens sobre o tema "Verdade ou Mentira?" - formas engraçadas de ensinar os miúdos que a mentira tem perna curta.
Esta sessão destina-se a crianças entre os 4 e os 12 anos e as reservas devem ser feitas previamente: de terça a sexta-feira, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 17h00 (informações: info@museudodinheiro.pt ou +351213213240). 

Para os meninos da margem sul - e ainda falando da Sétima Arte - o Fórum Montijo (Cinemas NOS), tem cinco sessões de cinema de animação gratuitas agora no início do ano. Vão ser cinco Domingos, sempre na sala 5, às 10h30.
Infelizmente já venho ligeiramente atrasada uma vez que a primeira sessão foi no domingo que passou (13/01). E, lamento informar que, a sessão do próximo domingo dia 20/01 já tem lotação esgotada.  Restam  as sessões  dos três domingos seguintes: 27/01, 03/02 e 10/02 com os filmes "Asas pelos Ares", "Os Incríveis 2" e "Ferdinando", respetivamente.
Importante reter: As reservas devem ser feitas sempre na semana antes da sessão pretendida e são feitas diretamente no balcão de informação do Fórum Montijo. Os vouchers de acesso ao cinema são dados na hora e cada pessoa tem direito a entrada para um adulto e duas crianças  com idades entre os 3 e os 12 anos.

Para não deixar o Norte de fora falo-vos agora de um mega evento também sobre cinema: o IndieJúnior Allianz Festival Internacional de Cinema Infantil e Juvenil do Porto.
Este ano é já a terceira edição do evento, que vai ganhar vida em vários espaços conhecidos da cidade do Porto. São eles o Teatro Rivoli, Biblioteca Almeida Garrett, Casa das Artes e a Reitoria da Universidade do Porto. Entre os dias 29 de Janeiro e 3 de Fevereiro vai ser possível assistir aos filmes infanto-juvenis "mais criativos e originais" que podemos imaginar. Para miúdos entre os 3 e os 16 anos, escolha não vai faltar!
Para todo o tipo de informações, não hesitem em visitar o site oficial do Festival: www.indiejunior.com.


Resultado de imagem para indie junior porto



Bem... confesso que não estava planeado falar (escrever) só sobre cinema mas como não vos quero maçar, vou deixar as sugestões por aqui e prometo voltar com mais ideias de programas para a miudagem.


Até lá, divirtam-se!


Fontes: 
https://www.forumontijo.com/
https://pumpkin.pt/
www.indiejunior.com 



terça-feira, 8 de janeiro de 2019

Momentos #3 | 2018 foi assim!

Começou com alguns tropeços, encontrámos obstáculos pelo caminho, tivemos que adiar planos de há muito e, de repente, acaba com algumas mudanças nas nossas vidas.   

Não foi um ano fácil por aqui, mas faz parte da vida.
Não há férias de luxo nem eventos fora de série. Há apenas uma pequena família normal a viver na loucura do dia a dia!
Ainda assim há memórias boas, momentos que ficam registados e que havemos sempre de recordar.

E porque recordar é viver ficam aqui alguns dos nossos momentos de 2018.
















Olá 2019!

segunda-feira, 24 de dezembro de 2018

É Natal!

Podia vir aqui dizer imensas coisas sobre o Natal. Coisas boas e também (e infelizmente) coisas más. 
Podia ir buscar uma qualquer perspectiva da época para vos deixar um texto diferente - mais um não é?
Podia também falar-vos de como adoro esta época e do que gostaria de poder fazer com a família para aproveitar melhor o Natal.
Podia explicar-vos com muito sentimento o que significa para mim o espírito natalício. Ou até como vivia esta época em criança.
Enfim...
Há mil e um temas/motivos/pretestos/perspectivas para se escrever sobre esta época. Mas hoje só quero desejar a todos - familiares, amigos, conhecidos, leitores, seguidores... - um Natal cheio de esperança, harmonia, bondade e amor no coração.


BOAS FESTAS!



Foto: Zakaria Dehhaoui



quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Quando temos que dizer adeus...

Pronto. Falhei um mês. Não queria que acontecesse mas foi por uma boa causa.
Aliás, este post já vem bastante atrasado porque queria tê-lo publicado no início de  Novembro. O mês de Outubro foi um mês de mudança, de recomeço, de adaptação a novas rotinas e foi por isso que falhei. Não consegui escrever nada mas venho aqui agora explicar o porquê.

Como já referi Outubro foi um mês de mudança. E grande! Uma mudança a nível profissional mas que influenciou toda a rotina diária desta família normal. 
Após 8 anos a vestir a camisola Aki, com muito orgulho, eis que surge uma oportunidade profissional que não poderia deixar passar! O desafio - atrevo-me a dizer - da minha vida.
Oito anos a fazer parte de uma família como o Aki foram, como devem imaginar, bastante marcantes: muitas aprendizagens e experiências diferentes; pessoas que nos marcam (por bons ou maus motivos), amigos que ficam e, com toda a certeza, um contributo importante para o meu crescimento pessoal e profissional.

Há já algum tempo que perseguia uma mudança a nível profissional. Não menosprezando o trabalho na distribuição, mas sendo licenciada, não era o emprego que queria para a vida. E - tenho que dizer - mesmo sendo o Aki uma excelente empresa para se trabalhar e, tendo eu sido feliz nesta casa, com o passar do tempo, vai surgindo uma frustração difícil de lidar. Vamos colocando muita coisa em causa: os anos e empenho despendidos nos estudos, o amor e dedicação a uma profissão que sonhamos ter e que nunca se concretizou... até as nossas capacidades.

Aos 36 anos de idade, quando já começava a perder a esperança, chega um SIM!

Não, não é na minha área de formação nem está lá perto. É precisamente o oposto: eu que sempre fui uma miúda das letras e das línguas vejo-me agora a lidar com números, taxas, moedas, conversões, mercados financeiros e outros conceitos que nem fazia ideia que existiam. 
Quem diria. Uma surpresa. Enorme!

Apesar de ter ficado muito feliz com a minha conquista, a despedida foi muito difícil. Foram muitas emoções de uma só vez.
Ao princípio nem sabia bem o que sentir: a felicidade pela conquista, a apreensão pela nova (e difícil) área, o medo de falhar, a nostalgia de deixar uma família gigante e espetacular, a tristeza pela despedida, a saudade dos momentos bons e das pessoas que ficaram no coração... Não é fácil explicar.
Nunca pensei estar feliz e, ao mesmo tempo, chorar até soluçar enquanto escrevia a minha carta de despedimento. No mínimo insólito!

Mas pronto, aconteceu. E no dia 1 de Outubro comecei uma nova aventura num mundo diferente. Completamente diferente.

Mas não fui só eu que ganhei - e devo dizer que ganhei bastante só pelo facto de nunca mais ter sentido dores nas pernas ou o corpo exausto - cá em casa ganharam todos pois a mamã já não trabalha à noite nem ao fim de semana! É um luxo!
Foi uma mudança radical nos nossos horários e rotinas, já que tenho que acordar com as galinhas para chegar à outra margem bem cedo. Consequentemente, preciso fechar a pestana também cedinho para me aguentar à bomboca. E devo confessar que o primeiro mês custou que se fartou - já que eu sou um "cu de sono" do caraças. 

Percebem agora o porquê da minha ausência?
E agora vocês questionam: "Então e os fins de semana?"
Pois, os fins de semana passam a correr, entre as lides domésticas, compras, miúdos e tentar descansar alguma coisa... quando dou conta é segunda feira outra vez. O normal, certo?

E é isto. Queria partilhar convosco esta novidade e dizer -vos que vou tentar ao máximo incluir o blogue nas nossas novas rotinas.







terça-feira, 11 de setembro de 2018

Maria e as tarefas domésticas

Já aqui falei algumas vezes sobre como é difícil fazer alguma coisa em casa quando tenho a pequenina comigo. Ela quer aproveitar cada segundo que tem perto da mãe e simplesmente não desgruda.
Por exemplo: mesmo que lhe explique que tenho que fazer a paparoca ela não quer saber e é naquele momento que tem que estar ao meu colo. Ou quando vou passar a ferro, ela agarra-se às minhas pernas e puxa-me para o sofá pois quer ver bonecos sentada no meu colo.
Enfim... um sem números de tarefas que se tornam complicadas porque a Maria Inês simplesmente não me deixa fazer.

Como devem calcular as coisas cá em casa não aparecem feitas por magia! Era bom. Era muito bom. Mas não.
Como tal, com o tempo, fui aprendendo a dar a volta às situações sempre que estou em casa com a menina e tenho as tarefas domésticas para fazer.

E não é que a melhor maneira de concluir as minhas tarefas domésticas é metê-la a fazer comigo? Ah pois é!! A miúda gosta mesmo de ajudar e fica toda contente quando lhe ponho um pano na mão para limpar, quando me ajuda a separar a roupa para lavar ou a tirar a roupa da máquina; adora ser a minha assistente quando vou estender roupa; ajuda-me a fazer a cama e a aspirar o chão, a limpar a casa de banho... enfim, desde que lhe dê uma tarefa para fazer em conjunto comigo ela está contente. 
Apesar de demorar mais tempo assim, acaba por ser divertido e a Maria Inês vai aprendendo umas coisas. E claro que tenho sempre os devidos cuidados para ela não ter contacto direto com os detergentes ou com o pó - normalmente meto-a a limpar o que já está limpo ou finjo que meto detergente no pano dela.

E assim se forma uma jovem dona de casa. Eheh!






(Vamos ver se quando chegar à idade em que realmente tem que ajudar, o gosto é o mesmo! - 
 Digam lá se não foi o que vocês pensaram?)