sexta-feira, 21 de outubro de 2016

O Marido

Os mais atentos devem recordar-se que, na apresentação da família, eu vos disse que o maridão era um verdadeiro Santo! Também prometi que um dia falava sobre o assunto...



A verdade é que o Hugo tem defeitos como qualquer pessoa e até já vos contei sobre eles. Mas tenho que reconhecer que os seus defeitos são completamente insignificantes perante tudo o resto.

Também já vos contei que sou rabugenta, chata e super refilona! Há dias que sou insuportável.  Eu tenho plena noção (fui ganhando essa noção ao longo do tempo). E quando penso nisso penso que o meu marido tem que ter uma verdadeira paciência de Santo para me aturar!
Imaginem o que é acordar e começar a ouvir a outra parte a refilar com tudo e mais alguma coisa: porque a sala está de pantanas, porque a toalha do banho ficou pendurada na porta, porque há roupa desarrumada no quarto, porque a televisão está muito alta, porque encontrei um copo mal lavado...
Acredito que a vontade dele seria responder-me: "então lavasses tu". Mas não. O Hugo respira fundo e, no máximo, aconselha-me a voltar para a cama e dormir mais um bocado. E quando olho para a cara dele percebo que estou num daqueles dias. Aqueles dias em que ninguém merece aturar-me. Aqueles dias em que descarrego as minhas irritações em quem menos merece.



O Hugo não só tem uma paciência de Santo como é um excelente marido (sim, roam-se de inveja! Eh eh).
Para além de ser um cozinheiro exímio (e é por isso que nos completamos, eu não sou nada amiga da cozinha), o Hugo limpa, lava, aspira, estende e apanha roupa e até passa a ferro se for preciso. Chegar a casa do trabalho e ter a mesa posta, o jantar na mesa e o filho de banho tomado, não tem preço!
O Hugo é um pai extremoso e sempre atento que cuida dos filhos como ninguém. Troca fraldas, dá banhos, veste, despe, alimenta-os... Mais não poderia pedir.




O Hugo não é só o meu marido. É o meu melhor amigo e o melhor companheiro. É o meu conselheiro e psicólogo particular nos momentos mais exigentes e complicados. É o ombro onde posso chorar. É o meu porto de abrigo. O amor da minha vida, para a vida.
Somos super diferentes (quando eu gosto do verde, ele gosta do azul e vice versa) mas olhamos sempre na mesma direcção, levantamos e apoiamos um ao outro nos momentos menos bons e é por isso que nos completamos.
Somos, sem dúvida, almas gémeas!



NOTA: Queria ter terminado e publicado este texto no dia 19/10 pois foi o aniversário do Hugo mas, mais uma vez o poder que a Maria Inês tem dentro desta casa foi soberano e tornou-se impossível.

2 comentários:

Diz-nos o que achaste. O teu comentário é sempre bem-vindo.
Obrigada pela visita!