sexta-feira, 30 de setembro de 2016

A primeira vez - segunda tentativa!

A pedido de muitas famílias venho contar-vos os desenvolvimentos da ida do Bernardo ao dentista.
Como disse da primeira vez, tínhamos que voltar. Passaram-se duas semanas, tempo suficiente (pensámos nós) para o Bernardo se mentalizar que tinha mesmo que deixar o senhor doutor tratar-lhe dos dentes para que estes não viessem a nascer "encavalitados" uns nos outros.
Ele reagiu sempre bem às conversas e respondia com a segurança de quem ia, definitivamente, mudar de postura desta vez. Mas ontem à noite tive dúvidas em relação a tanta segurança assim de repente!

Então hoje lá fomos nós.
O pai deu o lugar ao avô porque da  primeira vez (só contou depois) sentiu-se mal pelo filho e quase desmaiou - eu notei que ele estava nervoso mas não me apercebi que era assim tanto!!
Mal saímos do carro o Bernardo começou a dizer que não queria ir e que não  ia deixar que lhe fizessem nada. Por muito que eu ou o avô lhe fizéssemos ver que não ia custar nada, ele não percebia.
Conseguimos entrar na clínica mas com o Bernardo a chorar e a enervar-se cada vez mais. Sorte a nossa que o doutor é um porreiro, muito paciente e parece ter jeito para os miúdos (é o mesmo dentista da primeira vez). O senhor conversou com ele e tentou acalmá-lo explicando sempre o que ia fazer. Não valeu de muito porque o Bernardo continuou a chorar.
Desta vez eu não tinha direito a meter-me no assunto e o avô tinha que lhe segurar nas mãos caso fosse necessário. E foi! Quando dei conta estava o Bernardo a gritar e a espernear-se, o vovôdi a agarrar-lhe nos braços e o dentista com a seringa na mão. Mas conseguiu e conseguiu acalmar o Bernardo de tal maneira que lhe deu uma segunda pica sem ele dar um ai!
Que alívio!


O dente definitivo já cá está fora. O outro tinha mesmo que sair!



O pior já estava mas receei pelo momento seguinte. O dente não saiu à primeira, tal era a teimosia.  Mas saiu à segunda e o Bernardo nem gemeu. Se não queria sair com um alicate, como é que havia de sair sozinho?!

A aventura no dentista não terminou sem o Bernardo se sentir mal à saída.  Os nervos acumularam-se e quando ele descomprimiu ia caindo para o lado! Deitámo-lo na sala de espera mas o doutor prontificou-se a ajudar e pegou no menino ao colo (que é quase do seu tamanho) e deitou-o novamente na cadeira das maldades. Deixou o Bernardo a ver desenhos animados até se sentir melhor e ainda lhe deu um copo de água com açúcar - ele estava mesmo sem cor.

E tudo acabou bem. O Dr. Filipe deu-nos os parabéns por termos voltado após a primeira vez (como a do Bernardo) pois a grande maioria dos pais, segundo ele, já não volta ao mesmo dentista o que não é nada positivo para a criança.


Os presentes: uma bola saltitona e um baú para guardar o tesouro.

O Bernardo ganhou um amigo, dois presentes e um beijinho na testa.
E daqui a um mês há mais!

4 comentários:

  1. ainda me lembro da minha primeira vez no dentista...simplesmente não abri a boca!

    ResponderEliminar
  2. :)
    Nunca fui ao dentista em miúda mas a minha irmã mais velha nem com três adultos a agarrá-la conseguiram fazer alguma coisa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahah,tas muito engraçadinha,eu até arrancava os meus sozinha.

      Eliminar
    2. Arrancavas os de leite! Mas quando foi no dentista, os relatos contam outra coisa 😂😂

      Eliminar

Diz-nos o que achaste. O teu comentário é sempre bem-vindo.
Obrigada pela visita!